7 de dez de 2016

In Flames - Battles




Nota; 7,5

Os suecos do In Flames possuem uma carreira vitoriosa em meio a diversas mudanças ao longo de mais duas décadas de serviços prestados a música pesada, muita coisa mudou desde sua estréia, tendo em Reroute To Remain sua maior mudança de paradigma, o qual  perdura até hoje, sai de cena o Death Metal com toques melódicos das bandas de Gotemburgo, para embarcar numa jornada nos mais diversos estilos dentro do rock.

Batltles é a continuação do que eles vem fazendo nessa década, misturando Industrial, Alternativo, Heavy Metal clássico e umas pitadas mais extremas, sem ser brilhante, porém cativante e competente, o vocalista  Andres Fridén e o baterista Bjorn Gellote juntamente com o baixista Peter Iwers (que gravou o disco mas saiu da banda mês passado) são os membros mais antigos que participaram de quase  todas as fases mais conhecidas do conjunto, ou seja, as mudanças fazem parte do histórico dos caras.

Em termos musicais o In Flames continua afiado, mesmo sem grandes surpresas, faixas como The End e In My Room são retratos fiéis do In Flames, que investe pesado em grooves, e boas melodias nas guitarras, e tem em Fridén um ponto de apoio forte, seus vocais casam perfeitamente com o estilo praticado.

O equilibrio de momentos melodiosos e progressivos com toques mais pesados e recheados de grooves ditam o ritmo do disco, como em Before I Fall imersa em grandes melodias das guitarras, enquanto Through My Eyes reativa o antigo In Flames com um pé no acelerador, frisando o grande trabalho de Bjorn Gellote e Niclas Engelin nas seis cordas.

Apostando pesado em investidas progressivas, a faixa título Battles se destaca, um grande acerto, principalmente no que tange a dinâmica sonora, guitarras e baixo criando camadas e os vocais se sobrepondo entre melodias e gritos desesperados, sem dúvida a melhor faixa do play.

Com solidez e competência, os suecos ainda soltam alguns bons momentos como a surpreendente Underneath My Skin e seu solo esperto e Wallflower que mistura Gothic Rock, Metal Progressivo e altas doses de efeitos e carga dramática no refrão, para fechar, Us Against The World encerra o trabalho com ecos do antigo In Flames com uma batida up tempo cativante.

Se não estamos diante de uma obra prima do In Flames (e de fato não estamos) Battles é um disco divertido, recheado de boas canções, carece sim de um ou outro momento mais inspirado, mas sem deixar de ser arrojado e cativante.

Battles (2016)




A Banda

 Andres Fridén (Vocal)
 Bjorn Gelotte (Guitarra)
 Niclas Engelin (Guitarra)
 Peter Iwers (Baixo)
 Joe Rickard (Bateria e Programação)
Postar um comentário