11 de nov de 2016

Testament - The Brotherhood Of The Snake



Nota: 9,00

O Testament é uma instituição do Thrash Metal, os veteranos do estilo demoraram quatro  anos para soltar o sucessor de Dark Roots Of The Earth, aliás, os longos ciclos entre os álbuns é uma constante na carreira dos caras atualmente, e vem se mostrando uma atitude certa, pois acabam entregando grandes trabalhos para os fãs, sem produzirem no modo automático

É inegável que um time que conta com Chuck Billy, Eric Peterson, Alex Skolnick, Gene Hoglan e Steve DiGiogio tem tudo para matar a pau, e aqui os objetivos foram atingidos, The Brotherhood Of The Snake é um grande disco, potente, furioso e magistralmente executado, evidenciando o excelente momento vivido pela banda.

A explosão de fúria movida pelo peso cavalar da bateria de Hoglan na faixa titulo, The Brotherhood of The Snake, já mostra que eles não vieram para brincar, Eric Peterson dispara um riff poderoso em The Pale King, na qual estão presentes as linhas vocais da fase clássica de Chuck Billy no refrão, uma boa demonstração do alto grau de inspiração das composições.


Stronghold descamba num Thrashão clássico recheado de peso e backing vocals guturais, destaque para a cozinha formada por DiGiorgio, que dá um show no baixo e Hoglan que demole sua bateria, Alex Skonlick nos brinda com um solo magistral, mostrando sua classe e talento, Seven Seals evoca grooves pesadíssimos e gruda logo na primeira, cadenciada e bem sacada, um dos pontos altos do play.

Seguindo uma linha mais cadenciada e calcada em grandes vocais de Billy, Born In a Rut lembra o estilo imortalizado pelo Pantera, cadência peso, alternância de momentos tensos e pesados e guitarras distorcidas e furiosas, Centuries Of Suffering podia estar em The Gathering devido a sua pegada brutal, a versatilidade das composições de Eric Peterson dão uma excelente dinâmica aos discos da banda.

A frenética Black Jack, é descontraída e tem um belo solo de Peterson, Neptune's Spear tem o DNA do Testament em seus arranjos, Alex Skonick deixa sua assinatura em um belíssimo e harmonioso solo, um monstro das seis cordas, uma das melhores músicas aqui.

Fechando o disco temos a polêmica Canna-Business e a imponente The Number Game fecham mais um grande sucesso do Testament, The Brotherhood Of Snake dá continuidade ao que os caras vem fazendo desde nos últimos tempos ou seja, Thrash dinâmico, pesadíssimo em sua essência mas com momentos mais melodiosos e leves. 

A atual formação reúne o que o Testament tem de melhor, ou seja, classe e energia. Disco Obrigatório!

Brotherhood of The Snake (2016)



A Banda


Chuck Billy (Vocal)
Eric Peterson (Guitarra)
Alex Skolnick (Guitarra)
Steve DiGiorgio (Baixo)
Gene Hoglan (Bateria)
Postar um comentário