11 de fev de 2016

Discografia Comentada: DIO (1983-2004) - Parte 1

Ronnie James Dio, Vinnie Appice e Vivian Campbell


O Saudoso Ronnie James Dio (1942-2010) teve uma carreira ímpar dentro do Rock e Metal, integrando diversos grupos em especial o ELF  Rainbow e por último Black Sabbath, todos com sucesso e reconhecimento, até que após um desentendimento com Tony Iommi, Ronnie deixa o Black Sabbath pela primeira vez e monta sua própria banda, chamada simplesmente de DIO.

Quando decidi escrever sobre a banda DIO, o baixista Jimmy Bain, grande companheiro de Ronnie no Rainbow e em boa parte da banda solo, ainda estava vivo, portanto, fica uma homenagem a ambos, o grande vocalista Ronnie James Dio e o Baixista Jimmy Bain.


Holy Diver (1983)





Falar de Holy Diver é fácil, um dos maiores clássicos da história da música pesada, que começou a nascer com algumas idéias e rascunhos que Ronnie Dio tinha em mãos para um terceiro  disco em sua fase no Black Sabbath, ao sair da banda e levar o baterista Vinny Appice, completou o time com dois grandes nomes o baixista Jimmy Bain e um jovem talento, o irlandês Vivian Campbell que comandava as guitarras.

O time entrou em estúdio e compôs um grande material, a temática abordando a fantasia medieval e algumas metáforas chamou a atenção e o quarteto executava uma fina mistura de Heavy Metal e Hard Rock, melodias, refrões e solos foram eternizados em um dos debuts mais festejados da história do estilo.

De fato a parceria entre Dio e Campbell criou um fluxo de idéias muito inspiradas, a cozinha formada por Bain e Appice (que também ajudavam nas composições) completaram os riffs e solos fantásticos e a voz magistral de Ronnie. Falar o que de clássicos como Holy Diver, Don't Talk To Strangers, Rainbow In The Dark, Caught In The Middle? O track list inteiro é irretocável e simboliza a era de ouro do Hard Rock e Heavy Metal.

Com uma estréia explosiva, Dio se consolidava como um grande nome e principalmente uma banda na qual  os demais músicos eram participantes ativos e deixaram sua marca, contribuindo no processo de composição. Um ótimo trabalho em equipe.

O estrondoso sucesso de Holy Diver garantiu disco de ouro nos Estados Unidos vendendo 500 mil cópias e uma tour em lugares enormes, o momento era ótimo e a banda já preparava o sucessor para o petardo.

*Curiosidade Holy Diver foi gravado no clássico estúdio Sound City, um lugar histórico para o Rock e Metal, tanto que o Foo Figthers em seu disco Sonic Highways homenageia o estúdio e coloca o riff de Holy Diver em "Somtehing For Nothing".


Ouça o no Spotify




A Banda

Ronnie James Dio (Vocal )
Viivan Campbell (Guitarra)
Jimmy Bain (Baixo e Teclado)
Vinny Appice (Bateria)



The Last In Line (1984)




A ascensão de Dio foi estrondosa em uma época que a música pesada era vinculada em massa na MTV americana, gerou um excelente momento para a banda que atravessava um grande período criativo, The Last in Line, o segundo trabalho solo do vocalista repetiu o sucesso de Holy Diver.

A receita foi mantida e o encontro de Hard Rock e Heavy Metal marcou época, se Ronnie James Dio não deixava pedra sobre pedra com sua poderosa voz, Vivian Campbell comandava as harmonias e melodias com sua guitarra afiada e solos épicos, Bain e Appice era a cozinha perfeita, precisa e ainda compositores ótimos.

O peso da abertura com a porrada clássica We Rock, desfilava do lado da épica e empolgante The Last In Line, que virou um grande hit do disco, One Night In The City  e Mystery representavam o hard rock puro com um belo groove embalados por solos melodiosos e belos refrões. Egypt (The Chains Are On) é o verdadeiro épico do disco reavivia as memórias do Rainbow em um momento inspirado de Vivian Campbell que mostra seu talento e bom gosto nas guitarras e Dio simplesmente destrói nos vocais.

Em seu segundo disco, a banda Dio conseguia promover o encontro entre a sonoridade pesada e cadenciada do Sabbath com as harmonias e tom épico do Rainbow uma vez que teclados estavam mais presentes., um sonho para os fãs.

O sucesso foi enorme e a banda continuava lotando arenas e recebendo diversas premiações e criticas positivas, assim como a tour de Holy Diver, os shows recebiam uma produção cheia de pompa. A grande repercussão de sua banda própria fez de Dio um dos embaixadores da música pesada, lembrando que nessa época nem Iron Maiden muito menos Metallica eram as referências que se tornaram anos depois em termos de Heavy Metal.
Bain, Schnell, Dio, Appice e Campbell

* É até vergonhoso, mas Dio nunca ganhou um Grammy (quem se importa?) entretanto o ator e metalhead Jackie Black o fez, como? Com um cover de The Last In Line de Dio, nem preciso dizer que isso sim é uma tremenda presepada!!

Ouça o no Spotify



A Banda

Ronnie James Dio (Vocal e Teclado)
Vivian Campbell (Guitarra)
Jimmy Bain (Baixo)
Vinny Appice (Bateria)
Claude Schnell (Teclados)

Sacred Heart (1985)




O sucesso da carreira solo fazia de Dio uma das maiores bandas do momentos, sendo Headliner em uma tour com palcos enormes e sucesso de público e crítica, porém nos bastidores existia uma certa tensão entre Ronnie e Vivian Campbell, diferenças criativas e financeiras começaram a pesar e o clima dentro da banda estava comprometido.

Mesmo com problemas, Sacred Heart foi lançado e fez sucesso, mais uma vez o time vencedor foi mantido e mais um disco de ouro por 500 mil cópias foi alcançado, porém musicalmente  as coisas não iam tão bem assim.

O som estava imerso em teclados e harmonias puxadas para o AOR, muito dos bons riffs carregados de influência Sabbathica deram lugar aos teclados mais presentes do que nunca, e claramente muitas das faixas eram fillers para cumprir tabela, mesmo assim Sacred Heart tem seus momentos.


A força da banda se faz presente em clássicos como em King Of Rock And Roll,  Sacred Heart (um dos maiores clássicos do DIO) e Rock 'N Roll Children, porém as excelentes atuações de Vivian Campbell não se repetiram aqui, muito mais pela linha criativa do que pela competência e talento do guitarrista, o paradoxo entre grandes vendas mas resultado musical não tão positivo teve consequências. 

A queda de qualidade e a instabilidade interna trouxeram mudanças e no meio da tour, Campbell, dá lugar ao guitarrista Craig Goldy (ex- Giuffria) que tinha a carreira empresariada pela esposa de Ronnie Dio, Wendy Dio, Goldy conclui a tour com a banda e segundo entrevistas, Dio sempre admirou o trabalho do guitarrista graças a sua forte influência de Ritchie Blackmore aliado a técnicas modernas na época.

Em minha opinião é o disco mais fraco da carreira de Dio, mas não necessariamente um trabalho ruim.

Ouça o no Spotify



A Banda

Ronnie James Dio (Vocal e Teclado)
Vivian Campbell (Guitarra)
Jimmy Bain (Baixo)
Vinny Appice (Bateria)
Claude Schnell (Teclados)

Nos vemos na segunda parte com mais uma viagem em meio a tantos clássicos, até lá!


Postar um comentário